Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Marcas Brancas - Sim ou Não?

A propósito deste post da Raiozinho, resolvi pegar no tema e partilhar convosco a minha opinião e relação com os produtos de marca branca.

 

Há quem tenha muitos preconceitos e reservas quanto aos produtos de marca branca existentes nos diferentes supermercados. Eu nao tenho qualquer tipo de reservaem relação a estes produtos. enquanto consumidora, aquilo que me interessa é ter um produto de qualidade a um preço mais baixo. a marca não me interessa. E este é um princípio que rege a minha vida, não só em relação à alimentação, mas também ao vestuário e outros artigos.

 

Sei de fonte fidedigna que este tipo de produtos não é de inferior qualidade quando comparados com os de "marca". Não raro, o que acontece é que estes produtos têm embalagens mais baratas, não pagamos a "marca", não têm campanhas de marketing dispendiosas, além de que são excedentes de uma determinada "marca", o que faz com que o produto final chegue ao consumidor a um preço muito atractivo.

Nos dias de hoje, os produtos de marca branca são uma excelente alternativa para economizar uns trocos continuando a usufruir qualidade.

 

Perto da minha casa existem dois supermercados onde eu faço a maioria das minhas compras: Pingo doce e Lidl. No Pingo Doce costumo comprar os seguintes produtos que me deixam satisfeitíssima:

 

Produtos Alimentares:

Manteiga magra (para mim mais saborosa do que a matinal), margarina culinária, leite meio gordo (que acho mais saboroso do que o da Mimosa, por exemplo), ovos XL (são mesmo grandes e óptimos para fazer bolos! Chlép!), arroz Europa (o da embalagem laranja e que rende que se farta, além de ficar soltinho como eu gosto), azeite, azeitonas verdes em frasco (deliciosas!), sumos naturais de fruta, pizzas frescas (chlép!), sopas em doses individuais (em caso de emergência), massas folhada, filo, quebrada, cereais para o pequeno-almoço (aqueles que têm pedacinhos de maçã, avelã, banana, etc.), puré de batata congelado (que parece mesmo o verdadeiro), batatas fritas congeladas, hamburguers congelados de frango, natas (óptimas para bater), molho béchamel.

 

Produtos de Higiene e Limpeza:

Lava loiça Utra Pro (UP), amaciador para a roupa UP, spray de pré-lavagem com oxigénio activo UP, detergente para a roupa (mão e máquina), gel com lexívia UP, creme para lavar o wc tipo CIF,  shampoo (da linha Essentya), sabonete líquido para as mãos, pensos higiénicos e diários.

 

No Lidl, costumo comprar, entre outros produtos, os seguintes:

 

Produtos Alimentares:

Pastéis de bacalhau, pães com chouriço, gelados (tipo magnum e um em caixa de chocolate com pepitas e que é horrivelmente bom!), iogurtes (há uns com pedaços de fruta que vêm nuns copos enormes e que são deliciosos), fiambre fatias finíssimas, vinagre de maçã, azeite, hamburguers de vaca fresocs, cajus (que só se pára quando chegamos ao fim da lata!).

 

Produtos de Higiene e Limpeza:

Papel higiénico (é uma embalagem de 10 numa embalagem azul), papel para as mãos, gel líquido para as mãos (o do frasco cinzento), detergente lava tudo, detergente para a roupa, acetona.

 

Concerteza existem mais alguns produtos que eu uso destes dois supermercados mas que não me ocorrem neste momento. Sugiro que experimentem alguns destes produtos que eu referi, caso ainda não os conheçam. Acho que terão uma agradável surpresa!

 

Buracos, Buraquinhos e Piercings!

Tenho de vos confessar que não sou adepta destas coisas. Mas não me chateia nada que os outros o façam. Afinal cada um faz o que quiser com o seu corpo. Claro que agora o governo também quer pôr o bedelho na liberdade individual de cada um, no que concerne a estes assuntos. Não têm mais nada para fazer, têm de justificar os altíssimos ordenados que ganham. Vou pensar se concordo ou não com esta lei.

 

Tenho de agradecer muito à minha mãezinha o facto de não me ter feitos piercings nas orelhas em bebé. Sim, porque as famosas “orelhas furadas” não são nada mais, nada menos do piercings primitivos, ou seja, à moda antiga. Detesto orelhas furadas. Sempre associei isto àquelas vacas da Índia que têm uma argola no nariz. Vai-se lá saber porquê.

Filha minha nunca irá fazer “piercings” nas orelhas enquanto for bebé. Em grande pode fazer, se quiser. Agora em pequena?! Eu caía logo para o lado! Pobres bebés.

 

Mas este assunto vem a propósito da higiene dos materiais e dos locais onde fazem. Desde sempre que é necessário ter muito cuidado mas hoje em dia ainda mais, tendo em conta as inúmeras doenças e infecções que podem surgir.

Há locais de muita higiene onde devem ser feitas estas coisas. Jamais deviam ser feitas em feiras, cabeleireiros, ourivesarias ou locais de higiene duvidosa. Nem sequer os furos nas orelhas devem ser feitos nas ourivesarias, pois são os locais tradicionais para se fazer. Segundo os médicos e especialistas no assunto dos “buraquinhos”, a pistola com que os fazem não pode ser esterilizada pois as substâncias deste processo danificam o mecanismo da pistola, inutilizando-a. Assim sendo, a higienização da pistola é ineficaz ou inexistente.

 

Deve ter-se sempre o cuidado de pedir para ver o material que vai ser utilizado. Deve vir todo esterilizado e embalado, ser aberto à nossa frente e depois deitado fora. Nunca aceitem que toquem em vocês com material que não estava embalado e fechado. Não sabemos por onde passou.

 

Bom, tenho de admitir que sou hiper-ultra-mega medrosa com agulhas e assusta-me ter algo “extra” e definitivo no meu corpo, algo de que não me possa livrar quando me apetecer e sem consequências. Mas um piercing num dente – que é uma colagem – até que não me importava! Hum… vou pensar no assunto!